Banner - Vem K - 1040x250.jpg

Quanto tempo ficamos imunes após tomar vacina contra Covid-19; Veja explicação de infectologista

O médico infectologista da Prefeitura de Brusque, Ricardo Freitas, falou nesta sexta-feira, 16, no programa O Município Ao Vivo, sobre o período de imunidade após a vacinação da Covid-19.

Vacina não é garantia de que a pessoa não irá se contaminar pelo vírus, explica Ricardo Freitas

Questionado por leitores de O Município, Freitas afirma que a pessoa está, em teoria, plenamente vacinada após um mês da aplicação da segunda dose da vacina.


“O que sabemos é que a nossa imunidade acontece de 15 a 28 dias depois da segunda dose. Para arredondar, 30 dias depois da segunda aplicação a pessoa está plenamente vacinada”, diz.

Segundo Freitas, os laboratórios AstraZeneca e Sinovac, produtores de vacinas contra a doença, dizem que dificilmente a pessoa vacinada e posteriormente infectada será internada.


>>Homem acusado de aplicar golpe em mulheres é preso em Balneário Camboriú


Porém, ainda de acordo com o infectologista, isso não significa que a pessoa não irá se contaminar pela doença. “O vírus no corpo seria ‘mais leve’, pois a pessoa já teria um organismo mais preparado para enfrentar a doença”, diz.


>>VÍDEO: Efeito da tempestade 'Potira' faz mar invadir avenida Atlântica em Balneário Camboriú


Ele, porém, diz que os resultados das eficácias das vacinas são satisfatórios. “Todos os trabalhos foram unânimes em dizer que a pessoa completamente vacinada não deveria ir para UTI. Isso é muito bom para nós”, afirma.

Vacinação todo ano?

Ricardo Freitas foi questionado também sobre a possibilidade da vacinação contra a Covid-19 ocorrer em todos os anos.


Apesar de não trazer precisão na resposta, por ser algo ainda recente, ele diz que, com todos imunizados, será dispensado o uso de máscara e outras atividades proibidas por causa da pandemia serão liberadas.

“A periodicidade da vacina ainda é uma incógnita. Ainda não sabemos se será uma vez na vida, uma vez a cada ano ou a cada dois anos. Isso ainda está sendo estudado”, diz.

Na entrevista o infectologista citou também o exemplo de Israel, que já vacinou toda a população e também dispensou a obrigatoriedade do uso de máscara.


>>Acidente entre jet ski e jet boat deixa duas pessoas gravemente feridas no rio Camboriú


“Teremos que acompanhar como isso funciona nos outros países e no nosso também. Para saber se as pessoas vão se recontaminar ou não”, finaliza.


Via: O Município

Por Thiago Facchini



3254 05 - WEB BANNER - CALEBE - 960X960