Banner - Vem K - 1040x250.jpg

Prefeito de Itajaí defende protocolo com ivermectina para uma suposta prevenção à Covid-19



O prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, voltou a defender na manhã desta quinta-feira (16) o protocolo com ivermectina para uma suposta prevenção à Covid-19. Em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, da NSC TV, ele justificou que o município não poderia “ficar apenas vendo a banda passar”, ao se referir sobre o aumento de casos, mortes e ocupação de leitos de UTI por conta do novo coronavírus.



Morastoni diz que a prefeitura não quis esperar por medidas como um remédio ou uma vacina justamente por conta do avanço da pandemia na região da Foz do Itajaí-Açu. O prefeito garante que há fundamentação para a distribuição da ivermectina e aponta que o medicamento não tem efeitos colaterais.


— Não podemos ficar apenas com medidas não farmacológicas, com leitos e enfermarias esperando que as pessoas piorem o sistema respiratório para irem à UTI. Por isso entramos com o protocolo antecipado, principalmente nos casos positivos e para prevenção, usando a ivermectina. Precisamos decidir entre ficar esperando até que venha a vacina, ou fazer alguma coisa a mais — defende Volnei Morastoni.


— Não se prejudica o paciente. Não vou dar um medicamento ou adotar um procedimento que vai fazer mal. Então enquanto se busca uma solução definitiva, nós podemos e precisamos antecipar alguma coisa para não ficar apenas na expectativa — completa.


Ivermectina custará R$ 4 milhões para Itajaí


De acordo com informações da colunista do Santa e da NSC, Dagmara Spautz, As três rodadas de aplicação de doses de ivermectina para “prevenir” contra o coronavírus em Itajaí custarão R$ 4,4 milhões aos cofres públicos. A encomenda foi feita ao laboratório com dispensa de licitação, em caráter emergencial. A medicação não tem comprovação científica de que funcione para evitar ou tratar a Covid-19.



Coronavírus em Itajaí


Dados divulgados nesta quarta-feira pelo governo do Estado apontam que Itajaí tem 2.422 casos de Covid-19 e 58 mortes. Ao todo, a Foz do Itajaí-Açu é a macrorregião de saúde com mais pacientes infectados e óbitos relacionados ao novo coronavírus: 9.268 e 150, respectivamente.


Por Augusto Ittner

3193 14 - Calebe Moreno - 960x960.jpg
3254 05 - WEB BANNER - CALEBE - 960X960