3321-04-CALEBE-CAMBORIU-NOTICIAS-900x150.jpg

PM baleado em assalto à banco de Criciúma luta pela vida; família pede ajuda.

O soldado da PMSC Jeferson Luiz Esmeraldino, 32, deitado em uma maca na sala de casa e sem poder falar, luta para sobreviver.

Tudo começou no plantão da noite de 1º de dezembro de 2020, no 9º Batalhão da PM, em Criciúma (SC), durante um assalto a bancos. O crime é considerado o maior do estado. A quadrilha tinha membros do PCC (Primeiro Comando da Capital) e atacou o quartel a tiros, ferindo o militar.



Um dos disparos atingiu o abdômen de Esmeraldino, afetando pulmões, rins e a retirada de 25% do estômago. Foram 33 dias na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e outros 30 na enfermaria. Nesse período, o militar teve uma parada cardiorrespiratória que causou lesões neurológicas por falta de oxigênio do cérebro.


>>Justiça determina demolição de seis andares de arranha-céu na Avenida Atlântica em BC


"Ele ficou dez minutos desacordado sendo reanimado. Foi o suficiente para a lesão no cérebro. Não se tem expectativa de retornar ao normal.


>>VÍDEO: Santa Catarina teve o primeiro registro de neve em 2021


Não temos o que fazer. Só Deus na causa, tanto que os médicos não garantiram se voltaria a falar, por exemplo", lamenta a mãe, a técnica em enfermagem Sandra Aparecida, 55.


Família tenta se conformar


Esmeraldino teve alta em fevereiro e desde então mudou a rotina dos familiares. Ele passou a morar com a mãe, em Tubarão, e recebe cuidados com auxílio 24 horas de uma equipe composta por fonoaudiólogos, fisioterapeutas e técnicos em enfermagem. Os profissionais são pagos pela PM.

O militar não consegue falar, se alimenta por uma sonda e às vezes mexe os braços e pernas involuntariamente. Seis meses depois, a família ainda tenta se conformar em vê-lo nessa condição, pois o quadro de incapacidade física o fez entrar para a reserva da corporação, em 26 de março, cinco anos depois de conquistar o sonho do serviço público.


>>Frio intenso e primeira neve do ano poderá ser registrada na próxima semana em SC


Não é fácil ver um filho nessa situação. Ele tinha o porte atlético, era inteligente e muito querido por todos. É o oposto daquilo que éramos acostumados a ver. Saiu um Esmeraldino naquela noite e voltou outro.


Sandra Aparecida, mãe de Esmeraldino.


Uma das que mais sente a falta de Esmeraldino no dia a dia é a filha dele, de 5 anos. "Ela não consegue ver o pai desse jeito porque hoje é o oposto daquela imagem que tinha na cabeça", relata a avó. Sandra está de licença do trabalho e tomou a frente dos cuidados do filho, que era solteiro e morava sozinho.


>>Homem tira a própria vida na avenida Atlântica, em Balneário Camboriú.


A mãe também conta com ajuda do marido, que trabalha como frentista, e de outro filho, que deixou o emprego para se dedicar aos cuidados do irmão no hospital, mas que ainda não conseguiu se recolocar no mercado. "Jamais ficaria longe.



Pedi a Deus para ele sobrevivesse e agradeço muito por essa chance de continuar cuidando. Seria pior se fosse a dor da perda", frisa.


UTI dentro casa


Para continuar com o tratamento, a família montou uma UTI na sala de casa. O local é considerado inapropriado, pois o imóvel é antigo. Além da maca, o cômodo tem aparelhos que ajudam no tratamento. Eles precisam permanecer ligados por 24 horas.


Como a instalação elétrica da casa é antiga e os equipamentos são novos, a conta de energia aumentou quase dez vezes por mês, passando para, em média, R$ 800.


O boleto de água também subiu, chegando a R$ 250 mensais, em razão das constantes higienizações do vestuário hospitalar.



"A casa é velha e a fiação é antiga. Estamos puxando de uma tomada para outra. Não tem como desligar porque o aparelho é ligado direto. Ele já teve até infecção pulmonar devido a friagem que dá na sala, já que é um local inadequado", relatou a mãe.


A família narra que ainda tem os custos com medicamentos, calculados em R$ 4.000 mensais. Para a primeira compra, os parentes arcaram com o próprio dinheiro para depois pedir o reembolso da PM. O gasto é coberto pela corporação a partir da apresentação de nota fiscal e prescrição médica.


O salário do militar é de R$ 5.000, contudo, sobra pouco mais de R$ 2.000, em razão de descontos com pensão alimentícia da filha e de dívidas contraídas por Esmeraldino antes do assalto.


"A gente compra, pede reembolso e depois compramos de novo com o dinheiro recebido", explica Sandra Aparecida.


Família pede ajuda


Com intenção de dar mais conforto no tratamento, a família, amigos da corporação e empresários de Tubarão se mobilizam para construir uma edícula aos fundos do quintal da casa.



PMs, engenheiros civis e arquitetos desenvolveram um projeto para comportar a UTI na edícula. A empresa Audax Construções se comprometeu em auxiliar no acompanhamento da obra, com aprovação e gerenciamento do projeto, e fiscalização da execução.

Para iniciar a obra, contudo, ainda é necessário pagar a mão-de-obra e os materiais de construção, que somam mais de R$ 200 mil. A estrutura prevê 64 metros quadrados de área construída. O cronograma projeta três meses de obras.


"Essa edícula dará um melhor conforto, com UTI no quarto, fiação nova para os aparelhos, pois a nossa casa é antiga e precisamos dar mais segurança e privacidade, além de melhorar o atendimento dos profissionais, já que a nossa sala é aberta e bastante fria.

Tenho amor e cuidado, mas não tenho dinheiro para isso", pontuou a mãe.


Os valores doados terão prestação de contas por policiais voluntários na campanha que atuam no 6º e 9º BPM.



"A gente quer que a família tenha a maior tranquilidade possível, pois isso contribuirá muito para o tratamento do soldado. Isso fez a gente montar esse grupo de voluntários", comentou o coronel Evandro Fraga, do 6º BPM.


As doações para mão-de-obra ou materiais de construção podem ser realizadas com as informações bancárias contidas na imagem (abaixo) dou por PIX pela chave 966.611.789-49 em nome da mãe, Sandra Aparecida Nunes.



O que diz a PMSC


A Polícia Militar de Santa Catarina informou que a Esmeraldino "são assegurados direitos, serviços e ações, permanentes e interativas, de remuneração, pensão, saúde e assistência, que integram o Sistema de Proteção dos Militares, previstos no Estatuto dos Policiais Militares de SC e na Lei de Remuneração dos Policiais Militares de SC".


"Reiteramos, mais uma vez, que o Estado, através da PMSC, está prestando a assistência ao soldado Esmeraldino e os apoios necessários aos seus familiares", ratificou, em nota. A família confirma que a corporação presta assistência de saúde.



Questionada sobre a possibilidade da construção da edícula, a corporação informou que auxilia através de participação voluntária de seus policiais na campanha.


As leis citadas pela PM não mencionam ajuda por meio de construção civil em seu escopo.




whatscamboriu.png
3319 - 10 - WEB BANNER - CALEBE - 960x960.jpg