Pesca da tainha em maio ultrapassou 500 toneladas em Santa Catarina



A pesca da tainha em Santa Catarina terminou o mês de maio com mais de 557 toneladas de peixe capturados no Estado. O levantamento é da Federação dos Pescadores do Estado de Santa Catarina (Fepesc), com dados atualizados na manhã desta terça-feira (2). Para a safra deste ano, a expectativa é capturar entre 1,8 mil e 2 mil toneladas de tainha.


O montante inclui a pesca com rede de caceio, tarrafa, rede de arrasto de praia, além das embarcações motorizadas de pesca artesanal, segundo o presidente da Fepesc Ivo da Silva. Depois de um início de temporada fraco, o frio trouxe a tainha para o Estado nas últimas semanas de maio, onde foram registradas as pescas mais expressivas até o momento.



Na quinta-feira (28), foram capturadas mais de 10 mil tainhas na Praia da Vigia em Garopaba, no Litoral Sul. No sábado (30), foram mais de 6 mil na Praia do Santinho, no Norte da Ilha em Florianópolis.


A pesca artesanal embarcada, que começou dia 15 de maio, também teve números melhores mais ao final do mês, explica o gerente de Pesca e Aquicultura da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de Santa Catarina Sergio Winckler da Costa. 


Até a manhã desta terça-feira, a produção de tainha na modalidade emalhe anilhado registrava 366.154 kg pescados. Esses dados são registrados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pois esse produto vai para a indústria.


Já a pesca industrial, que começou dia 1º de junho, terá 10 barcos nessa temporada. A cota é de até 50 toneladas por embarcação, e 627,8 toneladas por frota. Por enquanto, ainda não há resultado do primeiro dia de pesca no controle do Mapa.


Para o presidente da Fepesc, ainda é cedo para dizer se safra irá superar as 1.157 toneladas registradas no ano passado, Porém, a expectativa é positiva, desde que os fatores essenciais para a pesca artesanal se mantenham. Entre eles, o frio, que faz as tainhas virem para Santa Catarina, e depois o vento para que elas encostem na praia.


- Com o vento sul e o frio, a tainha vem à procura de água mais quente para desovar. É o corso do peixe, o caminho do peixe, como a gente chama. Quando ele chega em Santa Catarina, se acalma o vento Sul e o frio, a tainha estaciona em alguns lugares - explica Silva.


Cuidados em relação ao coronavírus


Com as medidas de tomadas em Santa Catarina em função do coronavírus, a pesca também deve ocorrer dentro de algumas regras. O distanciamento mínimo, a máscara e o uso de álcool gel 70% passaram a fazer parte do dia a dia dos pescadores.

whatscamboriu.png