Cardume de raias encanta banhistas na tarde deste domingo em Balneário Camboriú.

Um cardume de raias encantou banhistas no início da tarde deste domingo (14) na Praia Central de Balneário Camboriú. As imagens, feitas pela jornalista Sabine Weiller, mostram os animais nadando em área rasa, em meio à arrebentação.



Esta é a segunda vez que o ‘show’ das raias é registrado em Balneário Camboriú. No início do mês, os animais também foram filmados na praia. O pesquisador Jules Soto, curador do Museu Oceanográfico da Univali, em Balneário Piçarras, diz que o acompanhamento das raias ao longo dos últimos tempos mostra que elas vêm à arrebentação interessadas em alimento – elas comem pequenas conchas que têm aparecido em grande quantidade na Praia Central.

- É um fenômeno raro e belíssimo, ainda mais numa praia movimentada como Balneário Camboriú. Isso é muito bom, porque prova que a água está com qualidade.


>Justiça proíbe carnaval com trio elétrico em Balneário Camboriú


O pesquisador se preocupa, no entanto, com o interesse de pescadores artesanais e amadores, que estão ‘de olho’ nas raias de Balneário Camboriú. Uma equipe do Museu Oceanográfico fez um trabalho de conscientização nas últimas semanas, pedindo que os pescadores da região não façam cerco aos cardumes.


VÍDEO: Pastor nocauteia obreiro durante culto na Assembleia de Deus em Camboriú


Raias têm ferrão, usado para defesa. Mas o especialista diz que elas não são um risco aos banhistas. Segundo Soto, elas só atacam quando se sentem ameaçadas:


- Elas evitam o ser humano. Chegam próximo, mas não deixam ninguém tocar - explica.


Os animais avistados em Balneário Camboriú são da família Mylionatis, que inclui as gigantescas raias-jamanta - espécie que ficou famosa após ser representada na animação Procurando Nemo. As que apareceram na orla de Balneário Camboriú são conhecidas como raia-sapo, raia-águia ou raia-beiço-de-boi.


Essa espécie tem a coloração marrom e atinge cerca de 80 centímetros, com ferrões que podem ter o dobro do comprimento do corpo. Elas costaumam viver em águs costeiras, a mais de 10 metros de profundidade.


Por Dagmara Spautz






whatscamboriu.png